Na fronteira entre ficção e historiografia: o tempo de mediação